quarta-feira, 21 de maio de 2008

Acertos aos montes

Confesso que nunca tinha ouvido falar na banda The Black Keys e muito menos que eles já tinham quatro CDs nas costas antes de lançar este Attack & Release(2008). Até porque ela nunca foi apresentada oficialmente no Brasil e também porque sempre esteve correndo por fora dos "hypes" (olha a palavrinha chata de novo!) roqueiros, a exemplo dos estilos nu metal, emocore e electro-rock da vida entre outras “novidades”.

Não sei se nos álbuns anteriores, o duo Dan Auerbach(voz e guitarra) e Patrick Carney(bateria) exercitou a mesma levada de som retrô que os aproximam de Led Zeppelin e, lembrando nomes mais recentes, The Black Crowes e Kings of Leon. O fato é que, em Attack & Release, esses norte-americanos de Ohio fazem um rock-blues competente e de alta voltagem.

Essa competência se deve em parte ao vozeirão de Auerbach e sua guitarra afiada, ao acompanhamento afinado da bateria de Carney e, muito também, pelas composições bem sacadas. As músicas transitam pelos rockões básicos, como na fantástica “I Got Mine”, com um riff que remete a "Manic Depression", da lenda Jimi Hendrix, e na lenta e hipnótica “Psychotic Girl”, com um piano e coros pra lá de sensuais, ou enveredam pelo blues rasgado, como na linda “Lies” e pelo country sofisticado em “Remember When (Side A)”.

Tudo isso, me fez acreditar que Attack & Release e seus acertos é um dos grandes álbuns do ano até este maio. Para figurar no meu Top 10. Sem pestanejar.

Confira:

3 comentários:

wataides101 disse...

Esse álbum também estará na minha top 10 de 2008; pelo andar da carruagem, neste ano, nossa Top 10 será, com certeza, maior que 10. Quem sabe 12, 15, 20...He, he, he! MARATA

DR.TÍMPANO - BSB/DF disse...

Concordo com você, queridíssimo Wagner, 2008 está se mostrando um ano musical bacanérrimo, apesar dos pessismistas de plantão acharem o contrário.

Valeu pelo comentário.

Dr. Tímpano

Alexandre disse...

"Vou te contar uma coisa pra você", desculpe o discurso meio superficial anestesiado, mas essa banda foi uma das melhores coisas que já escutei.
Abraços Dr. Tímpano!